Aguarde. Carregando informações.
MENU

Domingo, 16 de junho de 2019 | TEMPO: PARCIALMENTE NUBLADO

Alagoas

Pacientes com câncer denunciam falta de medicamento no HU

Pacientes com câncer denunciam falta de medicamento no HU

(Imagem: Reprodução)

A falta de um medicamento no Hospital Universitário de Maceió está deixando pacientes em tratamento contra o câncer desassistidos. A medicação Vinorelbina 30mg é essencial para o controle da doença, mas está em falta desde novembro do ano passado.

Centenas de pacientes com câncer estão sem tomar o remédio que deveria ser fornecido pelo HU. O custo do medicamento varia de 185 a mais de 300 reais por comprimido.

De acordo com a Portaria 874/2013 da Política Nacional de Prevenção e Controle do Câncer, os estabelecimentos de saúde habilitados a realizar o tratamento da doença, como a Unidade de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia (Unacon) ou o Centro de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia (Cacon), devem oferecer assistência geral, especializada e integral ao paciente com câncer, atuando no diagnóstico, estadiamento e tratamento.

Porém, o cumprimento da portaria vem sendo prejudicado pela falta do medicamento tanto nos centros de assistência quanto na farmácia ambulatorial do HU.

Em nota, o Hospital Universitário justifica que a falta do medicamento se deu pelo aumento da demanda de pacientes oncológicos e informa que o remédio será disponibilizado no prazo de 15 dias.

Leia a nota na íntegra:

O Hospital Universitário Professor Alberto Antunes informa sobre a falta do medicamento Vinorelbina, utilizado no tratamento de pacientes com câncer de mama.

A Unidade Farmacêutica Clínica do HU esclarece que o atraso no fornecimento do fármaco se deu pelo processo de pregão, que é o procedimento adotado para aquisição de medicamentos e insumos para instituições públicas. O desabastecimento do medicamento se deu, ainda, pelo aumento da demanda de pacientes oncológicos em tratamento no Centro de Alta Complexidade em Oncologia (Cacon) do HU.

Em 2017, o Hospital adquiriu 324 cápsulas do fármaco, enquanto em 2018, com o aumento da demanda, foram necessárias 555 cápsulas para atender aos pacientes em tratamento.

Em contato com a empresa fornecedora, que é de Brasília, o Hospital foi informado que será abastecido com a medicação no prazo de 15 dias.

*Brunna Moraes/estagiária sob supervisão 

Comentários