Aguarde. Carregando informações.
E A CASA CAIU...

COLUNISTAS André Barros

Pós graduado em Direito Penal. Mestrando em educação da Unisul. Pesquisador do Grupo de Pesquisa em Análise do Discurso Jurídico (GPADJUS/CNPq).

E A CASA CAIU...

E A CASA CAIU...

(Imagem: Reprodução)

Num lugar infinitamente próximo e num tempo presente, encontra-se a contraditória cidade de Alienópolis. É na rua das tragédias que se passam os fatos mais comentados pela população e mais divulgados na mídia local. É a rua mais famosa da cidade, por isso, alguns moradores têm orgulho de morar lá.

Eventos trágicos ocorrem lá. Cotidianamente, violência e morte são esperadas, mas, as tragédias são tão corriqueiras que já não assustam ninguém e ainda se tornam o principal assunto no cotidiano dos alienenses. Um velho casarão, situado naquela rua, chama a atenção de todos especialmente...

José Maria, alienense de valor, anos atrás, no ápice de sua juventude, empenhou-se em apedrejar e danificar o casarão, pois dizia ele: – a causa das desgraças dessa rua é essa construção sem dono que atrai periodicamente pessoas de má índole... se ele cair, não teremos mais esses problemas! E, com esse objetivo, Zé procedeu durante anos...

Passada a juventude, porém, José Maria, agora adulto e pai de família, percebe que todos os anos de empenho destrutivo não renderam os frutos esperados. Zé pergunta, então: – o que fiz de errado? A construção não caiu e não acabaram as tragédias dessa rua... Muito preocupado com o futuro de seus filhos, ele resolve mudar de estratégia e toma uma decisão corajosa: – vou tomar posse!...

Eis que, no dia seguinte, Zé Maria acorda, apanha ferramentas, dirige-se até o casarão e trabalha arduamente. Por golpes firmes e decididos, começa pela área externa da construção, retirando-lhe o matagal da fachada. Ao anoitecer, um delinquente, ao ver o local descoberto, opta por não se arriscar, preferindo não entrar lá, no que é seguido por outros, pois a vegetação que dominava a fachada do casarão encobria o que se passava lá.

A ação de José Maria foi vista por sua vizinha, Maria José. Ela viu o resultado alcançado com aquele feito simples e resolveu ajudar... Outros moradores também se envolveram: trabalhando o telhado, as paredes e o chão, o casarão fica pronto para novo uso.

Depois de vários anos, Zé percebeu que destruir a construção não resolveu os problemas. Somente o esforço consciente foi capaz de mudar a realidade e dar bom destino à velha construção. Só assim, a casa caiu...