Aguarde. Carregando informações.
MENU

Quarta-Feira, 01 de abril de 2020

Coronavírus: solidariedade e esperança em meio à pandemia.

COLUNISTAS Cauê Castro

Políticas Públicas e Juventude. Advogado, pós graduando, desenvolve atividades com a juventude da Igreja e no combate à dependência química.

Coronavírus: solidariedade e esperança em meio à pandemia.

Coronavírus: solidariedade e esperança em meio à pandemia.

CuorePersone (Imagem: )

Não temos dúvidas que com o avanço do coronavírus, tendo em vista seu alto índice de transmissão, o que precisamos fazer é entrar em quarentena e se isolar socialmente. A atitude, válida e recomendável, serve para evitarmos a contaminação comunitária, que eleva exponencialmente os índices de infectados. Assim, conter essa pandemia depende muito das nossas atitudes individuais em prol da coletividade.

Entretanto, mesmo que isolados, nasce em nós o desejo de ajudar o próximo, de estar disponível.  As pessoas sentem que precisam fazer algo para ajudar, mas diante do cenário de incertezas, não sabem como exercer a solidariedade e o apoio social.

Por isso gostaria de trazer alguns gestos que estão sendo feitos e que nos colocam, mesmo isolados, em contato com o próximo:

1 – Ajuda para os vizinhos.

"Se você está em isolamento, eu posso ajudar." A oferta para fazer compras para um vizinho mais idoso ou que está em outro grupo de risco tem se multiplicado por diferentes países do mundo. Em Maceió, um garoto de 12 anos viralizou ao oferecer ajuda aos seus vizinhos com uma simples mensagem escrita em papel e colocada no elevador do prédio onde mora. Fica a lição para nós.

2- Cantoria nas janelas.

Diversos vídeos têm sido vistos na internet onde pessoas cantam juntas de suas varandas. Aqui no Brasil o DJ Pedro Sampaio fez um “show” em sua varanda e animou toda a vizinhança do prédio. Já em outro vídeo vimos pessoas cantando “parabéns pra você” de suas janelas para um aniversariante. Aqui vale sempre a criatividade!

3 – Distribuição de donativos.

Várias pessoas sempre fizeram e fazem visitas a diversas instituições. Além disso, vários grupos sempre se movimentam para arrecadar donativos e entregar nesses cantos que já convive com um público ainda mais vulnerável. Como não podemos ir fisicamente ao encontro dessas pessoas, que tal mantermos as doações nesse momento em que eles mais precisam e escrever cartas motivacionais para eles? Imagine como não estão as pessoas em asilos e abrigos que as únicas visitas que recebem são de voluntários? Repito, não podemos ir lá fisicamente, mas será que não existem outras formas?! Uma carta, uma ligação e uma mensagem também são meios de se fazer presente.

4 – Oração.

Acredito que o mundo nunca esteve tão unido em oração como nesse momento. Várias pessoas, dos mais diversas credos, estão se unindo para pedir a Deus conforto e discernimento nesse trágico momento em que vivemos. Rezar pelos outros é uma forma eficaz de exercer a solidariedade, pois ao lembrarmos dos que sofrem, nos unimos a eles e intercedemos para que dê tudo certo. Quem não viu, nos últimos dias, a imagem do Papa Francisco caminhando sozinho pelas ruas de Roma indo rezar pedindo a proteção de Deus?! Além disso, a oração pessoal também nos acalma e nos coloca em contato com Deus, nos possibilitando a paz tão necessária nesse cenário de crise.

Por fim, se enfrentamos um limite físico, que seja ele a única barreira, mas que ao mesmo tempo desperte cada vez mais uma atitude de proximidade em nossos corações. Há um jeito muito bonito de estar junto sem estar próximo. Que a gente aprenda que o mais importante disso tudo é despertar o que há de melhor em nós, a capacidade de ser solidário, ter empatia e se colocar no lugar do outro.