Aguarde. Carregando informações.
MENU

Domingo, 18 de agosto de 2019 | TEMPO: PARCIALMENTE NUBLADO

Inflação oficial de 2018 fecha em 3,75%. Como isso afeta sua vida e seus investimentos?

COLUNISTAS Edmundo Almeida

Inflação oficial de 2018 fecha em 3,75%. Como isso afeta sua vida e seus investimentos?

 

Na na última sexta feira (11) ó IBGE divulgou a inflação oficial do Brasil acumulado no ano de 2018. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) fechou 2018 em 3,75%, ficando dentro da meta proposta pelo governo que tinha como centro 4,5%, mas que poderia variar dentro de um intervalo de 3% a 6%.

Inflação é um termo de economia que é utilizado quando há alta em um conjunto de produtos e serviços em um determinado período.

Essa alta de preços afeta diretamente a vida do brasileiro, pois diminui o poder de compra do seu dinheiro. Quanto mais o preço dos produtos aumentam, menos produtos uma determinada quantia de dinheiro pode comprar. De forma simplista, a inflação acumulada em 3,75% no ano de 2018 fez com que no final do ano fosse necessário se pagar R$ 103,75 em um mesmo produto ou serviço que no início daquele ano se pagava R$ 100,00.

Além de diminuir o poder de compra a inflação afeta também os investimentos dos brasileiros, pois o ganho real destes dependem do percentual daquela. A poupança, por exemplo, teve rentabilidade nominal de 4,62% durante o ano de 2018. No entanto, descontando a inflação medida pelo IPCA, o ganho real para o poupador chegou a 0,84% apenas.

Claramente vemos que a poupança não foi um bom investimento no ano que passou, tendo ganho real inferior a 1% em todo o ano.

Para se proteger da inflação muitos investidores tem trocado a poupança pelo título do tesouro conhecido como Tesouro IPCA+, que, como o próprio nome sugere, corrige o valor aplicado pela inflação oficial e ainda paga uma taxa de juros contratada no momento de compra do título. Atrelar uma parte dos rendimentos de um investimento à inflação é uma forma de se proteger dela, e que vem cada vez mais sendo usada pelo investidor brasileiro, pois de nada adianta ter um ganho real inferior a inflação, já que se isso ocorrer o investidor perdeu poder de compra.

Por fim, a inflação pode ainda afetar a taxa básica de juros do país, pois caso o Banco Central entenda que ela está baixa demais pode reduzir a taxa de juros para estimular o consumo. Já se entender que está alta demais o Banco Central pode aumentar a taxa de juros para reduzir o consumo.

Entendemos que a inflação está totalmente controlada, posto que, apesar de ter saído de 2,95% em 2017 para os atuais 3,75%, o valor se encontra dentro da meta e em nada se compara aos 10,67% de 2015.

 

Comentários