Aguarde. Carregando informações.
Brasil

Cheia dos rios no Amazonas deixa milhares de famílias ribeirinhas com falta de comida

Cheia dos rios no Amazonas deixa milhares de famílias ribeirinhas com falta de comida

(Imagem: Reprodução)

Vinte e quatro municípios estão em situação de emergência no Amazonas. A cheia dos rios deixou milhares de famílias ribeirinhas isoladas, com falta de comida.

Rafaela dos Santos começa o dia verificando se tem alimento suficiente para a família. O pouco que encontra precisa render para os três filhos pequenos.

“O filho pergunta se tem, e não tem nada. Às vezes, tem comida, outras vezes, não. Às vezes, ele abre a geladeira e não tem nada. Não tem de onde tirar”, diz a agricultora.

De acordo com uma pesquisa feita pelo IBGE sobre insegurança alimentar no país, 65% das famílias amazonenses compartilham da mesma preocupação da Rafaela. E em muitos municípios no interior do estado a situação se agrava devido à cheia dos rios.

Angelita Lima precisou abandonar a casa este ano. Ela também perdeu as plantações, e comer se tornou um desafio.

“Tem que comer um pouco mais no almoço, e na janta ter um pouco. Se não, no outro dia pode faltar”, diz a agricultora.

Algumas famílias dependem da produção da farinha de mandioca, mas muitos fornos também foram invadidos pela água. José Meireles chegou a fazer um pequeno estoque. Para complementar a alimentação, ele pesca o dia inteiro, e nem sempre volta com peixes suficientes.

“Tem que ir para mais longe, temos que andar atrás deles. Você tem que andar na mata para encontrar", conta o agricultor, que pesca em áreas de floresta alagada.

Segundo a Defesa Civil do Amazonas, 24 municípios estão em situação de emergência. Entre eles, o Careiro da Várzea, há 25 quilômetros da capital Manaus. Plantações inteiras foram inundadas.

“A dificuldade é muito grande. Tem dia que a gente não tem o que comer, porque quando a gente está plantando, a gente consegue colher toda semana um pouquinho, mas vocês estão vendo a realidade”, lamenta a agricultora Maria de Nazaré.

ONGs têm percorrido os municípios atingidos pela cheia. Para as famílias em situação de insegurança alimentar são entregues cestas básicas.

“A cesta básica é pensada para uma família de cinco a seis pessoas, onde nós entendemos a necessidade daquela região”, explica a gerente do projeto, Angela Mota.

De acordo com o serviço geológico do Brasil, a cheia no Amazonas deve atingir seu nível máximo em junho. E mesmo com o auxílio emergencial dado pelo governo do estado e as doações de organizações não governamentais, as próximas semanas se mostram desafiadoras em relação à alimentação para os ribeirinhos.

“A gente vai levando com o milagre de Deus e nossas possibilidades”, diz Maria de Nazaré.

*G1