Aguarde. Carregando informações.
MENU

Sexta-Feira, 12 de julho de 2024

Economia

PIX completa três anos com recorde de 66 bilhões de transações bancárias; saiba detalhes

PIX completa três anos com recorde de 66 bilhões de transações bancárias; saiba detalhes

(Imagem: Getty Images via BBC)

Você se lembra como se faziam as transações bancárias antes do PIX? Em três anos de existência, o meio de pagamento se tornou o mais utilizado pelos brasileiros. Foram 66 bilhões de transações bancárias realizadas via PIX entre 16 de novembro de 2020 e 31 de outubro de 2023.

Os números são de um levantamento da Febraban (Federação Brasileira de Bancos), com dados do Banco Central e da Associação Brasileira das Empresas de Cartão de Crédito e Serviços.

No primeiro semestre de 2023, foram um total de 17,6 bilhões de transações via PIX, o que corresponde a 93% do total de transações bancárias no período. Em 2022 inteiro, foram 24,1 bilhões.

PIX modo "offline" 

 

Segundo o economista Beto Saadia, o PIX deve apresentar novas ferramentas nos próximos meses, como o PIX feito de forma "offline", em um modo que não precisaria de internet no seu entorno, tal como dinheiro ou cartão de débito.

Novas funcionalidades e possibilidades de pagamento do PIX

 

Outras evoluções do PIX que devem chegar no futuro incluem também as transferências internacionais, o pagamento de empréstimos e o pagamento de compras parceladas, segundo Saadia.

Segundo Miriam Leitão, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, adiantou que no futuro haverá novas possibilidades de pagamento dentro do PIX. Além disso, o Open Finance, que pretende unificar os dados bancários da pessoa em uma única plataforma, e o Drex, que vai ser o Real digital, também influenciarão na ferramenta.

“É toda uma série de novidades, o PIX foi só o primeiro ponto. O dinheiro caminha para ser digital, e essas novidades o BC brasileiro tem se aplicado muito para ter plataformas seguras e novidades cada vez maiores para ampliar a inclusão digital, a inclusão bancária e a facilidade de pagamentos”, afirma Miriam Leitão.

*G1