Aguarde. Carregando informações.
MENU

Quarta-Feira, 18 de setembro de 2019 | TEMPO: PARCIALMENTE NUBLADO

Educação

Capes: corte em bolsas também vai atingir programas de pós-graduação com nota alta

Capes: corte em bolsas também vai atingir programas de pós-graduação com nota alta

(Imagem: Reprodução)

O mais recente corte de bolsas anunciado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) vai impactar pesquisas desenvolvidas até em cursos com alta nota de avaliação.

O novo corte, anunciado no início de setembro (2), vai atingir 5.613 bolsas de mestrado, doutorado e pós-doutorado no Brasil a partir deste mês. É o terceiro comunicado do tipo neste ano. Procurada pelo G1, a Capes não informou as pesquisas que seriam afetadas porque só tem acesso àquelas que estão ativas.

Ao todo, a Capes vai deixar de oferecer cerca de 11 mil bolsas e não serão aceitos novos pesquisadores em 2019.

Em junho, quando havia anunciado outro corte que atingiu 2,7 mil bolsas, a Capes afirmou que os cursos impactados seriam os de avaliação 3. Desta vez, serão todos.

As notas variam de 1 a 7 e são usadas como referência para que as agências de fomento nacionais e internacionais possam distribuir bolsas de estudo, por exemplo. 

O novo corte, anunciado no início de setembro (2), vai atingir 5.613 bolsas de mestrado, doutorado e pós-doutorado no Brasil a partir deste mês. É o terceiro comunicado do tipo neste ano. Procurada pelo G1, a Capes não informou as pesquisas que seriam afetadas porque só tem acesso àquelas que estão ativas.

Ao todo, a Capes vai deixar de oferecer cerca de 11 mil bolsas e não serão aceitos novos pesquisadores em 2019.

Em junho, quando havia anunciado outro corte que atingiu 2,7 mil bolsas, a Capes afirmou que os cursos impactados seriam os de avaliação 3. Desta vez, serão todos.

As notas variam de 1 a 7 e são usadas como referência para que as agências de fomento nacionais e internacionais possam distribuir bolsas de estudo, por exemplo.

 
 

De acordo com a Associação Nacional de Pós-Graduandos (ANPG), o corte atingirá 3/4 dos pesquisadores de mestrados e doutorados stricto sensu . "Essa medida impacta diretamente o sistema de pós-graduação, responsável por 90% da produção científica do país", afirma a entidade.

"Essas políticas irracionais do governo causam prejuízos incalculáveis à produção de conhecimento, colocam em risco instituições de Estado fundamentais a qualquer aspiração de projeto de desenvolvimento nacional e reduzem o futuro do país à eterna condição de subdesenvolvimento, atraso e dependência", afirma a ANPG, em nota.

De acordo com a associação, as bolsas estão há seis anos sem reajuste, período em que a inflação atingiu 37,17%, de acordo com a entidade.

Fim das bolsas neste ano

A Capes e o Ministério da Educação (MEC) tratam o novo anúncio como um "congelamento" e afirmam que a medida não vai afetar quem atualmente já recebe o benefício.

Entretanto, a Capes admite que as bolsas não serão mais oferecidas nos próximos 4 anos, que é o período de vigência previsto caso elas tivessem sido concedidas neste mês.

Ao todo, a Capes possui, 211.784 bolsas atividade em todas as áreas de atuação. Desse total, 92.680 são da pós-graduação. Assim, o corte anunciado vai representar o bloqueio de 2,65%.

Orçamento para 2020

O MEC divulgou que, em 2020, a Capes só terá metade do Orçamento de 2019. Foram reservados R$ 2,2 bilhões para a instituição frente os R$ 4,25 bilhões previstos neste ano.

Na proposta de orçamento para 2020, a perda prevista para todo o MEC é de 9%.

De acordo com o governo, o corte de bolsas da Capes vai representar uma economia de R$ 37,8 milhões em 2019.

A Capes teve R$ 300 milhões contingenciados neste ano. Considerando o impacto das 11 mil bolsas no Orçamento 2019, a coordenação economiza R$ 90,8 milhões no atual exercício.

 

Ainda segundo a Capes, como as bolsas têm vida útil de 4 anos, a economia no período pode chegar a R$ 544 milhões.

Histórico de cortes

No primeiro anúncio de corte, em 9 de maio, a Capes comunicou o bloqueio de 3.474 bolsas. Depois, em 4 de junho, a Capes avisou que deixaria de oferecer 2,7 mil bolsas, sendo que esse número foi aplicado em cursos com conceito nota 3.

Considerando todos os anúncios feitos até agora, o total de bolsas que deixarão de ser oferecidas em 2019 chega a 11.811.

O mais recente corte de bolsas anunciado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) vai impactar pesquisas desenvolvidas até em cursos com alta nota de avaliação.

Crise da Capes e do CNPq impacta pesquisas no país

 

De acordo com a Associação Nacional de Pós-Graduandos (ANPG), o corte atingirá 3/4 dos pesquisadores de mestrados e doutorados stricto sensu . "Essa medida impacta diretamente o sistema de pós-graduação, responsável por 90% da produção científica do país", afirma a entidade.

"Essas políticas irracionais do governo causam prejuízos incalculáveis à produção de conhecimento, colocam em risco instituições de Estado fundamentais a qualquer aspiração de projeto de desenvolvimento nacional e reduzem o futuro do país à eterna condição de subdesenvolvimento, atraso e dependência", afirma a ANPG, em nota.

De acordo com a associação, as bolsas estão há seis anos sem reajuste, período em que a inflação atingiu 37,17%, de acordo com a entidade.

Fim das bolsas neste ano

A Capes e o Ministério da Educação (MEC) tratam o novo anúncio como um "congelamento" e afirmam que a medida não vai afetar quem atualmente já recebe o benefício.

Entretanto, a Capes admite que as bolsas não serão mais oferecidas nos próximos 4 anos, que é o período de vigência previsto caso elas tivessem sido concedidas neste mês.

Ao todo, a Capes possui, 211.784 bolsas atividade em todas as áreas de atuação. Desse total, 92.680 são da pós-graduação. Assim, o corte anunciado vai representar o bloqueio de 2,65%.

Orçamento para 2020

O MEC divulgou que, em 2020, a Capes só terá metade do Orçamento de 2019. Foram reservados R$ 2,2 bilhões para a instituição frente os R$ 4,25 bilhões previstos neste ano.

Na proposta de orçamento para 2020, a perda prevista para todo o MEC é de 9%.

De acordo com o governo, o corte de bolsas da Capes vai representar uma economia de R$ 37,8 milhões em 2019.

A Capes teve R$ 300 milhões contingenciados neste ano. Considerando o impacto das 11 mil bolsas no Orçamento 2019, a coordenação economiza R$ 90,8 milhões no atual exercício.

 

Ainda segundo a Capes, como as bolsas têm vida útil de 4 anos, a economia no período pode chegar a R$ 544 milhões.

Histórico de cortes

No primeiro anúncio de corte, em 9 de maio, a Capes comunicou o bloqueio de 3.474 bolsas. Depois, em 4 de junho, a Capes avisou que deixaria de oferecer 2,7 mil bolsas, sendo que esse número foi aplicado em cursos com conceito nota 3.

Considerando todos os anúncios feitos até agora, o total de bolsas que deixarão de ser oferecidas em 2019 chega a 11.811.

*G1

Comentários