Aguarde. Carregando informações.
MENU

Quarta-Feira, 08 de dezembro de 2021

Política

Facebook remove live em que Bolsonaro associa vacina anticovid à Aids

Facebook remove live em que Bolsonaro associa vacina anticovid à Aids

(Imagem: Sérgio Lima/Poder360)

O Facebook removeu, no domingo (24.out.2021), a live semanal do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), transmitida ao vivo na última 5ª feira (21.out). No vídeo, o chefe do Executivo associou a vacina contra a covid-19 à Aids. O conteúdo também foi excluído do Instagram.

Um porta-voz da empresa disse à Folha de S. Paulo que as política do Facebook “não permitem alegações de que as vacinas de covid-19 matam ou podem causar danos graves às pessoas”.

 

 

LIVE

Na transmissão ao vivo de 5ª (21.out), Bolsonaro leu uma suposta notícia que diz que pessoas no Reino Unido “vacinadas [contra a covid-19] estão desenvolvendo a síndrome da imunodeficiência adquirida [Aids]”.

Recomendo que leiam a matéria. Não vou ler aqui porque posso ter problemas com a minha live”, disse o presidente.

OMS (Organização Mundial da Saúde) já negou a relação da vacina com a transmissão do vírus da Aids e reforçou a necessidade dos portadores da doença se vacinarem contra a covid-19.

Na mesma transmissão, Bolsonaro sugeriu que o uso de máscaras de proteção contra a covid-19 por longos períodos, “sem higiene”, pode causar pneumonia e morte.

 

Segundo o chefe do Executivo, lendo um suposto artigo científico, a “maioria das vítimas de gripe espanhola” –em 1918 e 1919– não morreu da doença, mas sim de pneumonia bacteriana “causada pelo uso de máscara”.

O presidente também criticou a obrigatoriedade da proteção e disse que, “em alguns municípios mais pobres”, muitas pessoas usam a mesma máscara por “semanas, até meses”.

Segundo ele, as políticas decretadas por prefeitos e governadores para conter o avanço da covid-19 foram uma das “mais perversas da sociedade”.

Na sequência, Bolsonaro voltou a repetir que “obesos” e “desesperados” morreram mais de covid-19 ao longo da pandemia. Segundo o presidente da República, as emoções afetam “a capacidade das pessoas de reagir à doença”.

Ele também defendeu o tratamento da covid-19 com o uso de remédios sem eficácia comprovada contra a doença. “Vamos deixar o médico trabalhar, pessoal”.

INQUÉRITO DAS FAKE NEWS

O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) apresentou um requerimento para que a CPI da Covid encaminhe o caso ao ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Alexandre de Moraes, responsável pelo inquérito das fake news.

O congressista afirma que “a democracia brasileira precisa urgentemente aprender a lidar com um PR [presidente da República] que comete crimes em série”.

*Poder 360