Aguarde. Carregando informações.
MENU

Quarta-Feira, 29 de maio de 2024

Internacional

Quem é Robert Fico, primeiro-ministro da Eslováquia baleado

Quem é Robert Fico, primeiro-ministro da Eslováquia baleado

(Imagem: Reuters/TA3)

O primeiro-ministro eslovaco, Robert Fico, que está em uma condição de risco de vida depois de ser baleado nesta quarta-feira (15), assumiu o poder pela quarta vez em outubro passado e transformou a política externa do país em pontos de vista mais pró-russos.

Ele também iniciou reformas do direito penal e da mídia que levantaram preocupações sobre o enfraquecimento do Estado de direito.

Durante uma carreira de três décadas, Fico, de 59 anos, transitou habilmente entre o mainstream pró-europeu e as posições nacionalistas anti-europeias e anti-americanas, enquanto mostrava uma disposição para mudar de curso dependendo da opinião pública ou da mudança das realidades políticas.

Ele abraçou posições mais extremas nos últimos quatro anos que incluem críticas estridentes aos aliados ocidentais, promessas de parar o apoio militar a Kiev, oposição a sanções contra a Rússia e ameaças de veto a qualquer futura adesão da Ucrânia à OTAN.

Sua coalizão suspendeu os envios oficiais eslovacos de armas para a Ucrânia e ele falou sobre o que chamou de influência ocidental na guerra que só levou as nações eslavas a se matarem umas às outras.

Fico permaneceu estável ao longo de sua carreira, no entanto, em promessas de proteger os padrões de vida daqueles deixados para trás em um país onde as condições para muitos estão apenas lentamente alcançando as da Europa Ocidental e onde muitos têm memórias relativamente afeiçoadas de um passado comunista.

“Fico é um técnico de poder, de longe o melhor da Eslováquia. Ele não tem uma contrapartida no momento”, disse o sociólogo Michal Vasecka, do Instituto de Política de Bratislava.

“Fico está sempre acompanhando pesquisas de opinião, entende o que está acontecendo” na sociedade.

Sua campanha de “nem uma bala” para a Ucrânia apelou aos eleitores da nação de 5,5 milhões, onde apenas uma minoria no país membro da OTAN acredita que a Rússia é culpada pela guerra na Ucrânia.

Fico, que os analistas veem inspirado pelo húngaro Viktor Orbán, disse que tem interesses eslovacos no coração e quer que a guerra acabe. Aliados ocidentais e a Ucrânia dizem que parar a ajuda militar a Kiev só ajudaria a Rússia.

“Vemos Viktor Orbán como um dos políticos europeus que não temem defender abertamente os interesses da Hungria e do povo húngaro”, disse Fico à Reuters por e-mail no ano passado.

“Ele os coloca em primeiro lugar. E esse deve ser o papel de um político eleito, cuidar dos interesses de seus eleitores e de seu país.”

Nascido em uma família da classe trabalhadora, Fico se formou em direito em 1986 e ingressou no então governante Partido Comunista.

Após a queda do regime comunista em 1989, ele trabalhou como advogado do governo, ganhou um assento no parlamento sob o renomeado partido comunista e representou a Eslováquia no Tribunal Europeu dos Direitos Humanos.

Fico dirige o partido SMER-Social Democracia desde 1999, depois de se estabelecer para se opor ao gabinete de centro-direita reformista.

Ele lidou com insatisfação e reformas econômicas liberais em sua primeira vitória eleitoral em 2006.

Mas ele também manteve a nação em curso para adotar o Euro em 2009, apesar de formar um governo com nacionalistas.

Seu segundo gabinete ganhou depois que outra coalizão de centro-direita se separou dois anos depois, e uma postura dura contra os migrantes o ajudou a ganhar a reeleição em 2016. Depois dessa vitória, ele declarou que queria a Eslováquia como parte do núcleo da UE com a França e a Alemanha.

A sorte política de Fico desapareceu em 2018, quando o jornalista Jan Kuciak, que estava investigando um suborno de alto nível, e sua noiva Martina Kusnirova foram mortos por um assassino contratado.

Isso alimentou protestos em massa contra corrupção e Fico e foi forçado a renunciar. O SMER perdeu o poder em uma eleição de 2020 para partidos que se comprometeram a eliminar a corrupção e seu partido se dividiu.

Com menos de 10% nas pesquisas de opinião, Fico procurou abordar os temores dos eleitores durante a pandemia do coronavírus, quando criticou medidas de saúde do governo.

“Ele se tornou o representante político mais proeminente de um movimento contra máscaras faciais ou vacinação”, disse o analista político Grigorij Meseznikov.

Ao mesmo tempo, ele aproveitou a insatisfação com brigas no gabinete e questionou a posição ocidental do governo, com narrativas pró-russas nas redes sociais que se espalharam pela Eslováquia.

Fico também eliminou acusações de corrupção que perseguiram seu partido durante sua carreira política. Ele foi acusado de conspiração criminosa em 2022 para usar informações policiais e fiscais sobre inimigos políticos — acusações que ele negou e que mais tarde foram retiradas.

*Reuters