Aguarde. Carregando informações.
MENU

Terça-Feira, 04 de agosto de 2020

Brasil

Bolsonaro vai a Santa Catarina e sobrevoa áreas atingidas pelo 'ciclone bomba'

Bolsonaro vai a Santa Catarina e sobrevoa áreas atingidas pelo 'ciclone bomba'

(Imagem:  Diórgenes Pandini/ NSC)

O presidente da República, Jair Bolsonaro, chegou por volta das 8h20 deste sábado (4) a Santa Catarina. Ele desembarcou no aeroporto de Florianópolis e depois seguiu de helicóptero para sobrevoar uma das regiões mais atingidas pelo "ciclone bomba".

Ao deixar o avião, Bolsonaro usava máscara, conversou com autoridades e tirou fotos. A vice-governadora Daniela Reinehr foi quem representou o Estado na recepção. Os senadores Dário Berger (MDB), Esperidião Amin (PP) e Jorginho Mello (PL) também acompanharam a comitiva.

Após 20 minutos do desembarque, o helicóptero da Força Aérea Brasileira decolou e começou a rota pela Grande Florianópolis, uma das regiões mais atingidas pelo fenômeno climático. O percurso pela região durou cerca de uma hora.

Ao menos 165 cidades catarinenses tiveram danos com a passagem do "ciclone bomba", que causou ao menos 10 mortes em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul.

Chegada do presidente Bolsonaro em Florianópolis — Foto: Diórgenes Pandini/ NSC

Chegada do presidente Bolsonaro em Florianópolis — Foto: Diórgenes Pandini/ NSC

Apesar da previsão inicial de verificar a situação crítica de três regiões do estado, o sobrevoo ocorreu na Grande Florianópolis, nas cidades de Governador Celso Ramos e Tijucas. Ambos municípios foram devastados pelas fortes rajadas de vento e temporais, além do registro de quatro mortes.

Após o retorno do sobrevoo, o presidente fez uma breve reunião com autoridades catarinenses em uma sala do aeroporto, onde manifestou solidariedade às famílias de vítimas do ciclone. Além disso, ele comentou sobre o apoio para auxiliar no trabalho de reconstrução e na ajuda humanitária, mas não informou o total de recursos.

O presidente não falou com a imprensa e embarcou novamente para Brasília por volta das 10h30.

O governador Carlos Moisés participou por videoconferência da reunião, pois está com Covid-19 e em quarentena, depois falou com os jornalistas e explicou que até o momento não foi concluído o levantamento de danos nos municípios.

"A Defesa Civil trabalha primeiro em socorro, em seguida a parte de assistência humanitária, para depois avaliar danos e fazer a reconstrução. Porque quando você prevê em fazer obras de reconstrução, é preciso ter uma noção de projetos, cronograma, do quantitativo gasto com memoriais [...]. A avaliação de danos ela naturalmente demanda um pouco mais de tempo", afirmou.

Essa é a terceira visita de Bolsonaro a Santa Catarina como presidente e a primeira realizada neste ano. Em maio de 2019, ele esteve em Camboriú, para a abertura do Congresso dos Gideões, e em Florianópolis para um evento na Academia Nacional da Polícia Rodoviária Federal, em outubro.

Pelo menos seis escolas foram interditadas em Governador Celso Ramos após o ciclone — Foto: Prefeitura de Governador Celso Ramos/Divulgação

Pelo menos seis escolas foram interditadas em Governador Celso Ramos após o ciclone — Foto: Prefeitura de Governador Celso Ramos/Divulgação

'Ciclone bomba' e Defesa Civil Nacional

Na terça-feira (30) um "ciclone bomba" atingiu todas as regiões catarinenses com ventos superiores a 100 km/h, destelhando casas, derrubando árvores e postes e deixando mais de 1,5 milhão de imóveis sem energia. Nove pessoas morreram, outras nove se feriram e duas estão desaparecidas. A Defesa Civil contabiliza os prejuízos e na quinta-feira o governo estadual decretou calamidade pública.

Já na sexta-feira (3) uma comitiva da Defesa Civil Nacional chegou ao Estado para também sobrevoar as cidades atingidas e analisar os estragos causados pelo fenômeno.

Estrutura de empresa desabou em Tijucas com passagem de ciclone e três trabalhadores morreram — Foto: Prefeitura de Tijucas/Divulgação

Estrutura de empresa desabou em Tijucas com passagem de ciclone e três trabalhadores morreram — Foto: Prefeitura de Tijucas/Divulgação

O secretário Nacional de Proteção e Defesa Civil, Alexandre Lucas Alves, visitou alguns dos locais atingidos, como Tijucas, onde três trabalhadores morreram. Ele foi acompanhado pelo chefe da defesa civil de Santa Catarina, João Batista Cordeiro.

O sobrevoo desta sexta-feira passou pelas cidades de Governador Celso Ramos, Tijucas, Ilhota e Balneário Camboriú. Até segunda-feira (6) ele pretende ir em todos os locais atingidos.

*G1