Aguarde. Carregando informações.
MENU

Quarta-Feira, 08 de dezembro de 2021

Interior

Prefeito do Pilar anuncia que casa onde viveu Arthur Ramos vai se transformar em museu para visitação pública

Prefeito do Pilar anuncia que casa onde viveu Arthur Ramos vai se transformar em museu para visitação pública

(Imagem: Reprodução )

O prefeito do Pilar, Renato Filho, anunciou por meio das redes sociais que a casa onde viveu o médico psiquiatra, psicólogo social, indigenista, etnólogo, folclorista e antropólogo, Arthur Ramos, vai ser transformada em um museu para visitação pública.


“Sabe que casa é essa? Do nosso grande filho ilustre do Pilar, Alagoas e do mundo. Nosso grande Arthur Ramos. A casa vai virar o novo museu do Pilar que vai agregar mais valor ao nosso destino turístico e passar para as pessoas quem foi o nosso Arthur Ramos”, postou o gestor em seu perfil no Instagram.


Na mesma publicação, o prefeito salienta que o imóvel onde residiu o ilustre pilarense está passando por obra: “A casa tá ficando linda como a história de Arthur e aqui em Pilar é trabalho em todo canto pra toda gente”.


HISTÓRICO


De acordo com a Secretaria de Estado da Cultura de Alagoas (Secult), aos quinze anos Arthur Ramos publicou o seu primeiro artigo no semanário "O Pilar". Em 1926 defendeu a tese de doutorado denominada "Primitivo e Loucura", recebendo grandes elogios de Sigmund Freud, Eugene Bleuler e Lévy Bruhl. No Rio de Janeiro, em 1934, publica "O Negro Brasileiro"; assume a cátedra de Psicologia Social, vindo a ser consagrado como o pai da Antropologia Brasileira.


Conforme pesquisa da Secult, nos Estados Unidos ensinou e participou de vários simpósios nas Universidades de Lousiana, Califórnia, Harvard e Columbia, ao lado de grandes nomes das Ciências Sociais. No Brasil obteve reconhecimento e respeito de Jorge de Lima, Raquel de Queirós, Jorge Amado, Gilberto Freire, Estácio de Lima, Théo Brandão, José Lins do Rêgo, Aurélio Buarque de Holanda, Graciliano Ramos, 0, Silvio de Macedo, Rita Palmares, Lily Lages e Gilberto de Macedo, dentre tantos outros.
Era um humanista e, através de suas ideias libertárias, lutou contra o imperialismo e o preconceito racial, sendo preso duas vezes pelo DOPS, na ditadura Vargas.


*Redação Alagoas Alerta