Aguarde. Carregando informações.
MENU

Quinta-Feira, 09 de julho de 2020

Política

Jó apela por suspensão do recesso parlamentar durante pronunciamento

Jó apela por suspensão do recesso parlamentar durante pronunciamento

(Imagem: Reprodução)

Devido ao momento crucial da pandemia do novo Coronavírus, a deputada Jó Pereira apelou para que a Assembleia Legislativa de Alagoas suspenda o recesso parlamentar, previsto regimentalmente para começar amanhã, dia 1º de julho. Em pronunciamento nesta terça-feira (30), ela destacou que, há 100 dias, desde que Alagoas entrou em estado de emergência, a Casa de Tavares Bastos tem garantido voz ao povo, por meio de seus representantes.

"Muitas foram as indicações. Inúmeras foram as advertências e cobranças. Nunca se afastando do princípio democrático e sempre com o espírito de diálogo, buscando atingir o melhor resultado, e assim salvar vidas, diminuir os efeitos perversos da pandemia e enxergar futuro. Interromper esse canal de diálogo, mesmo que ele quase nunca venha sendo ouvido por quem tem que dialogar, é esquecer o que o povo espera de nós.  É calar vozes, aqui na Casa do povo", alertou. 

"Entendo que, em tempos como o que agora vivemos, não podemos abrir mão de uma única voz que alerte, que denuncie, que contribua, que faça a diferença. E essas vozes podem ecoar o grito silencioso dos alagoanos... Temos a obrigação de sempre ecoar essas vozes", prosseguiu, frisando que, embora recesso não seja sinônimo de ausência de trabalho, é preciso reconhecer a força do Plenário.

Jó também fez um paralelo entre a importância de uma educação de qualidade no combate ao vírus. "Somos iguais frente ao vírus, e uma simples atitude de não lavar a mão, não usar a máscara, de quem não teve educação para compreender melhor a situação e assimilar orientações, pode vitimar aquele que teve educação... Esse é o preço de não termos garantido educação para todos... Alagoas e o Brasil vivenciam o descaso pela ausência de planejamento e de uma real prioridade da educação. Somos todos iguais em um mundo de muita desigualdade".

*Redação Alagoas Alerta com Assessoria