Aguarde. Carregando informações.
MENU

Terça-Feira, 09 de agosto de 2022

Economia

Ibovespa tem maior queda mensal desde março de 2020

Ibovespa tem maior queda mensal desde março de 2020

(Imagem: Pixabay)

O Ibovespa, principal índice da bolsa de valores de São Paulo (B3) terminou o mês de junho com queda de 11,50% — a maior queda mensal desde março de 2020. O recuo superou o resultado de abril deste ano, quando o índice acumulou queda de 10,1%.

A divulgação de indicadores mais positivos do emprego não foram suficientes para segurar as quedas no pregão desta quinta-feira (30/6). Com o Ibovespa acompanhando as bolsas externas, o índice encerrou o dia com recuo de 1,08%.

Com o resultado, o índice termina os primeiros seis meses do ano com queda de 5,99%, saindo de 104.763 pontos no primeiro pregão de 2022 para 98.541 pontos atualmente.

No cenário interno, os agentes financeiros responderam ao andamento da PEC dos Combustíveis (aprovado pelo Senado). A proposta reacendeu temores fiscais por aumentar os gastos públicos às vésperas das eleições.

Além disso, o Banco Central admitiu que a inflação deve estourar o teto da meta pelo segundo ano seguido em 2022. A autoridade monetária também projetou que o Produto Interno Bruto (PIB) crescerá 1,7% em 2022, contra previsão anterior de 1% que constava no relatório de março.

Com a proximidade das eleições e incertezas acerca da economia global, os analistas não têm expectativas de arrefecimento no cenário. "Os indicadores econômicos positivos não apagaram ainda todo o sentimento negativo atrelado ao risco de uma recessão cada vez mais próxima. E isso não só no Brasil, mas também na Europa e nos Estados Unidos”, afirmou o head de renda variável da W1 Capital, Caio Tonet.

*Correio Braziliense