Aguarde. Carregando informações.
MENU

Quarta-Feira, 28 de fevereiro de 2024

Política

Equipe de Lula chama partidos para discutir votação da PEC da Transição

Equipe de Lula chama partidos para discutir votação da PEC da Transição

(Imagem: JOSEPH EID / AFP)

A equipe do presidente eleito Lula (PT) decidiu nesta quinta-feira (17), durante reunião do Conselho Político da transição, agendar uma reunião com todos os líderes e presidentes de partidos aliados para começar a discutir a votação da chamada PEC da Transição.

 

A reunião será na próxima quarta-feira (23) na sede do Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) em Brasília, onde atua a equipe de transição.

O governo eleito argumenta que a PEC é necessária para garantir que o pagamento permaneça em R$ 600 em 2023. O Orçamento enviado pelo governo Jair Bolsonaro permite o pagamento de R$ 405.

Pela decisão tomada nesta quinta-feira, a reunião da equipe de transição com os partidos será aberta também a líderes de legendas que não estejam participando do conselho político, entre as quais PP e Republicanos.

"Vai ser uma reunião não só para os líderes dos partidos que estão apoiando Lula, mas também a outros que tenham a mesma avaliação nossa, de que é essencial garantir o pagamento de R$ 600 para o Bolsa Família", afirmou o líder do PDT, deputado Wolney Queiroz.

Na reunião desta quinta, comandada pelo vice-presidente Geraldo Alckmin, coordenador da transição, os representantes dos 14 partidos da aliança com Lula fizeram uma avaliação positiva sobre a aprovação da PEC.

Depois do encontro, líderes avaliaram que a proposta será aprovada, mas pode sofrer algumas alterações. A principal é sobre o período em que o teto será furado. O governo mandou a proposta com uma exclusão permanente, mas a avaliação dos aliados de Lula é que isso não será aprovado.

A tendência é que o prazo fique limitado ao mandato do presidente Lula, de quatro anos, ou pelo menos dois anos. A equipe do presidente eleito não concorda com a proposta de aliados do presidente Jair Bolsonaro, de uma exclusão de apenas um ano.

*G1/Blog do Valdo Cruz